quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

Manuel pensa...

Manuel é um jovem com 27 anos Licenciado em Engenharia Electrotécnica numa boa universidade da zona de Lisboa.
Está empregado, numa empresa de serviços há 2 anos, onde ganha um vencimento base que ronda os 600,00 € mensais e subsidio de refeição.
Manuel pensa e bem, que o seu vencimento é inadequado.
Manuel é responsável por dirigir uma equipa de técnicos e respectivas obras num sector multitécnico.
Trabalha e produz, como quase toda a gente. É mal pago como quase toda a gente em Portugal.

Manuel procura melhor, lê jornais e tem contactos com empresas de recrutamento e selecção.
As oportunidades escasseiam e a lei de oferta e procura impôe-se, como se os recursos humanos qualificados, fossem meros produtos num mercado concorrencial.

Manuel verifica, na imprensa que os valores que aufere são comuns e comparáveis com o que se ofereçe a um fiel de armazém, um simples pedreiro ou um ajudante de electricista.
Além disso verifica que se procuram, licenciados em gestão ou electrotécnia, com experiência, para as funções de director comercial ou gestores de projecto, pelas mesmas quantias, de 600,00€ mensais.

Manuel pensa que talvez seja hora de se dedicar á construção civil e trabalhar como electricista.

Pensem nisto!

5 comentários:

Mani disse...

Caro MAJ, existe casos piores.
As empresas estão a cortar nas despesas em tudo. Onde necessitam de um Engenheiro colocam um electricista. Onde necessitam de um mecanico colocam um "curioso".
Tenho medo que por exemplo na manutencao das aeronaves comercias tambem estejam a cortar nas despesas e a colocar colaboradores nao qualificados a executar trabalhos especificos que requerem conhecimentos que em 80% dos casos os "curiosos" até desenrascam a situaçao, mas o que acontece nos outros 20%. A nossa segurança está ameaçada.
Pensem nisto tambem......

Anónimo disse...

Boas Noites...voltemos a pensar...será que o trabalho de um pedreiro é assim tão menos importante da do caso esposto...ex:o electrecista fará uma casa!!!!continuação de um bom trabalho.

MAJ disse...

Bom dia

O artigo que publiquei não se destina a comparar a importância das funções de qualificados ou não qualificados, nem sequer a dignidade pessoal do trabalhador.

Não me referi a um electricista, mas sim a um ajudante de electricista (não qualificado).

O que interessa neste artigo é a valorização que actualmente se dá a um recurso qualificado, que pode acresentar valor, pelo seu trabalho e competência, numa organização ou empresa, mas que é subvalorizado e comparado com um trabalhador não qualificado.

Um engenheiro é um projectista, criativo e resolve problemas num âmbito tecnico-cientifico muito vasto. Assume responsabilidades e cumpre objectivos, não se limitando a executar instruções, como um simples ajudante.

Lamento que o mercado de trabalho não distinga recursos valiosos, provenientes do investimento do estado e contribuintes, remunerando um engenheiro como um ajudante.

DCarnide disse...

Boa tarde,
Além de descabido, esse valor é pouco praticado e penso até que nao é permitido por lei. Deixemos-nos da conversa de coitadinhos. Quem está mal muda-se!! E tu Manuel não mudas por causa de quê?
De entro dos mais de 100 ou 200 engenheiros electrotecnicos que conheço pessoalmente, nas 4 empresas onde já trabalhei, ninguém ganha isso.
Aliás o sitio onde eu fui mais mal pago, ganhava cerca de 900 limpos. Ainda assim troquei um emprego onde ganhava 1350eur para aceitar esse dos 900 eur, porque não gostava do que fazia nem das horas que me obrigavam a trabalhar.
Eu tenho 28 anos, sou Licenciado em Electrotecnica em Coimbra (fiz equivalencia ao mestrado de bolonha) e trabalho à 2 anos, ja troquei de empresa 4 vezes, por vontade própria e ganho mais que o dobro dos 600eur que falam e já me sinto mal pago por isso, Manuel, não me leves a mal, mas estás a ser comido à força toda.
Não sei quais as tuas funçoes, aptidoes ou capacidade mas tenho a certeza de que arranjas melhor e facilmente... MEXE-TE!!!


Agora:
"Além disso verifica que se procuram, licenciados em gestão ou electrotécnia, com experiência, para as funções de director comercial ou gestores de projecto, pelas mesmas quantias, de 600,00€ mensais."

Não gozem comigo! Esta frase nao tem pés nem cabeça. Gestores de projecto?!!! O Manuel viu isto foi na secção para empregados da Zara, ou aqueles cordenadores de equipas de angariação da ZON.

Portugal é mau para trabalhar?
- Sim, ganha-se mal.

Há muita diferença entre classes? - Sim, há.

Conversa do coitadinho num Engenheiro Electrotecnico?
- Não!!!

MAJ disse...

Agradeço o comentário anterior.

Pessoalmente conheço 3 casos semelhantes ao do Manuel, entre engenheiros, electrotécnicos, quimicos e e civis.

Quanto aos 600 euros, pode ser verificado numa página de emprego do Correio da Manhã ou do Diário de Noticias.

De qualquer forma presunção e água benta, cada qual toma a que quer.